Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
(51) 989.590.959


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2018. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 08 de outubro de 2018
Investir em educação dos filhos é prioridade para 79% dos pais
Mais de 66% dos pais brasileiros ouvidos na pesquisa HSBC acreditam que as escolas privadas são melhores que as públicas.
Copiar link
Investir em educação dos filhos é prioridade para 79% dos pais

Investir em educação é uma prioridade para os pais brasileiros. De acordo com pesquisa global realizada pelo HSBC, 79% das famílias consideram que o melhor investimento que podem fazer é pagar por um ensino de qualidade para os filhos. Trata-se do maior percentual entre todos os 15 países pesquisados, entre eles Austrália, Canadá, França, México, Reino Unido e Estados Unidos.

Porém, os investimentos tendem a ser altos e contemplam desde mensalidades em escolas privadas e material didático até aulas de idiomas e de reforço. Segundo dados do Instituto Nacional de Vendas e Trade Marketing (Invent), o custo para sustentar uma pessoa até os 23 anos pode chegar a R$ 2 milhões em uma família de classe média alta, que recebe mais de R$ 15 mil por mês. No caso de uma família com renda entre R$ 5 mil e R$ 15 mil, os valores chegam a R$ 948 mil. Para quem recebe de R$ 2 mil a R$ 5 mil mensais, o volume total também não é pequeno: R$ 407 mil.

O esforço, no entanto, vale a pena. A pesquisa do HSBC mostra que 89% dos pais consideram o diploma de bacharel ou uma qualificação superior algo essencial para que seus filhos atinjam objetivos importantes na vida. Do total de pais entrevistados, 76% estariam dispostos a bancar estudos no exterior, e 70% já investiram em reforço escolar para garantir melhores resultados em sala de aula.

A pesquisadora Yanna Reis é mãe de um menino de 9 anos que estuda em uma escola privada de classe média alta no DF. A mensalidade hoje está em torno de R$ 1,5 mil. Segundo ela, os reajustes dos últimos anos foram de 6% a 10%. Apesar de já ter cogitado mudar o filho de escola algumas vezes, por causa das dificuldades financeiras, sempre pondera por acreditar que uma boa escola pode fazer a diferença a longo prazo. “Muitas vezes é aquela velha história do barato que sai caro”, aponta.

Os pais que podem bancar uma educação privada não hesitam. Mais de 66% dos pais brasileiros ouvidos na pesquisa HSBC acreditam que as escolas privadas são melhores que as públicas.

Mensalidades

Em meio à crise econômica brasileira, muitas escolas optaram por não reajustar as matrículas ou aplicar apenas um leve aumento, para garantir a permanência dos alunos. No Distrito Federal, a orientação do Sindicato dos Estabelecimentos Particulares de Ensino do DF (Sinepe) é manter o reajuste das mensalidades em 5%, consoante com o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC).

Segundo o presidente Associação de Pais e Alunos do DF (Aspa), Luis Megiorin, esse pedido era antigo. Ele ainda defende que as escolas apresentem planilhas de custos para os pais. “Há um custo que não é aparente, como material didático, passeios, reforços, entre outros. Com isso, é como se pagasse uma nova mensalidade”, pondera o advogado.

Megiorin, que ainda é presidente da Comissão de Educação da Ordem dos Advogados do Brasil Seccional Distrito Federal (OAB-DF), admite que o delicado período econômico fez os colégios recuarem em possíveis aumentos, mas reforça a necessidade da educação privada num país como o Brasil, com tantas mazelas no ensino público. “O pai precisa saber que manter o filho numa escola particular é um investimento”, conclui.

Fonte: Metrópoles

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger