Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
(51) 989.590.959


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2019. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 11 de julho de 2019
Inovação é atitude
Copiar link
Inovação é atitude

Muito se fala atualmente que inovar é imprescindível para qualquer tipo de negócio, independente do porte da empresa ou de seu segmento. A questão operante não é se você é uma empresa de produtos ou serviços, que busca lucro, uma organização sem fins lucrativos ou uma entidade governamental. A verdade é que todo modelo de negócio falha eventualmente, porque as condições mudam com o tempo. E cada vez mudarão mais rápido. Todos nós somos impactados em média por 6.225 estímulos de comunicação diariamente. Isso significa que, à medida que os consumidores são impactados por esta grande quantidade de informação, acompanhado ao fato de que evoluímos da Revolução Industrial para três novas revoluções ao mesmo tempo, sendo elas, a Revolução Tecnológica, a Revolução Social e a Revolução da Informação, não temos mais como administrar os negócios por um modelo mental de estabilidade. Passamos inevitavelmente a ter que nos acostumar a fazer a gestão dos negócios através de um raciocínio líquido.

Não há escassez de ferramentas, instrumentos e metodologias sobre como se adaptar a esta nova realidade. De fato, há muitos caminhos. Neste sentido, inúmeros livros e artigos dirão para você se concentrar no usuário final, entender a jornada do cliente, entre outras dicas valiosas. Mas ouvir os clientes em demasia é exatamente a forma como vários bons negócios fracassam. Existem inúmeros conceitos e metodologias como inovação aberta, startup enxutas, métodos ágeis e assim por diante. Entretanto, a verdade é que não há somente um caminho para a inovação. Cada empresa precisa encontrar seu próprio caminho. Só porque alguém teve sucesso com uma determinada estratégia, não significa que funcionará para o problema que você precisa resolver. Em função de evoluirmos de uma dinâmica mercadológica linear, para uma dinâmica matricial, em rede e absolutamente dinâmica, não existe mais um livro, ou uma “receita de bolo” que funcione para todos os desafios mercadológicos.

Portanto, é necessário reunir o máximo possível de instrumentos, ferramentas, metodologias, experiências, capital cultural e capital intelectual para resolvermos as complexidades do mundo moderno. Mas é necessário salientar que nada disso é mais importante do que ter atitude para fazer. Sem atitude, nada sai do papel. A seguir, cinco drivers sobre inovação que você raramente ouve, mas são extremamente importantes.

1. Inovação é diferente de invenção

Para inovar, é preciso ter metodologia. As inovações relevantes podem até iniciar conceitualmente com uma ideia ou um insight. Mas para se desenvolver e se tornar algo consistente e aplicável, é necessário transformar conhecimento em algum resultado relevante. Para isso, precisamos ter métodos eficazes para identificarmos os erros rapidamente e aprendermos com eles para corrigi-los o mais breve possível. É por isso que o sucesso muitas vezes leva ao fracasso. O que o torna bem sucedido em um ambiente competitivo pode se tornar um obstáculo quando as dinâmicas se alteram. Diante deste cenário, precisamos encontrar um equilíbrio saudável entre espremer tudo o que puder do presente e deixar espaço para criar e construir para o futuro.

2. Errar para inovar

Na grande maioria das empresas, os gerentes não são os propulsores de inovação. Como o título preconiza, eles são responsáveis pelo gerenciamento das operações. Isso envolve a contratação e o fortalecimento de funcionários, a otimização de práticas e processos, assim como a redução de erros. Mas os gerentes geralmente não focam em desenvolver um processo melhor e gerar “dinheiro novo”. Eles focam em executar as atividades de forma suave e eficiente para entregarem suas demandas nos prazos. É importante salientar também que gerenciar uma operação de qualidade é uma tarefa difícil, e que requer muito talento, dedicação e habilidade. No entanto, os gerentes precisam perceber que existe um trade-off fundamental entre inovar e otimizar as operações. Executar operações eficientes exige padronização e controle para produzir resultados previsíveis. Inovação, por outro lado, requer experimentação. Isso significa tentar muitas coisas novas, a maioria das quais muito provavelmente falhará por estar sendo feita pela primeira vez. Ou seja, uma das primeiras regras da inovação é aceitar o erro.

3. Inovação nunca é um evento único

Os bons gerentes aprendem a identificar grandes mercados. Mercados maiores ajudam a expandir os negócios, gerar receita e permite que possamos investir nas operações para criar mais eficiência. E por consequência, maiores ganhos de eficiência levam a margens de lucro mais substanciais, que por sua vez, permitem que as empresas invistam ainda mais em melhorias, criando um ciclo virtuoso. No entanto, quando falamos em fazer algo realmente novo e diferente, tentar escalar rápido demais pode matar o seu negócio antes mesmo de começar. Infelizmente, isso é o que ocorre com a maioria das startups no Brasil. Um produto ou serviço verdadeiramente revolucionário é imprevisível porque, por sua própria natureza, não é bem compreendido. Treinar focando no desconhecido é uma maneira indicada de se preparar para os problemas imprevistos que são caros de corrigir em escala. Neste sentido, inovação nunca é um evento único. É um longo processo de descoberta, engenharia e transformação. Uma estratégia adequada é identificar um caso no qual alguém tenha um problema mal resolvido e esteja disposto a ignorar as falhas inevitáveis. Isso ajudará você a identificar defeitos precocemente e corrigi-los. Depois de obter as resoluções, você pode começar a escalar para casos de uso mais comuns. Por exemplo, desenvolver um carro autônomo é uma proposta arriscada com uma quantidade estonteante de variáveis que você não pode explicar. No entanto, um local controlado, onde os motoristas são escassos e o tráfego é inexistente, é ideal para iniciar os testes e melhorar a tecnologia. Na mesma linha, o Google Glass fracassou completamente como um produto em massa, mas está ganhando uma segunda vida como ferramenta industrial. Às vezes é melhor construir para poucos do que muitos.

4. O conhecido não é o caminho para inovar

Os grandes executivos geralmente têm ideias inovadoras e que os empolgam. Eles começam estruturando o que seria uma grande oportunidade. No entanto, quando aprofundamos os questionamentos, sempre surgem grandes barreiras para que a inovação aconteça de fato. Quando são questionados sobre isso, eles se desligam. Não cometam erros. Ou seja, inovação não é sobre ideias, é sobre como resolver problemas e facilitar a vida das pessoas. A verdade é que ninguém se importa com suas ideias, as pessoas se preocupam com os problemas que você pode resolver. A razão pela qual a maioria das pessoas não pode inovar não é porque elas não têm ideias, mas porque lhes falta a perseverança e a atitude necessária para manter um problema realmente difícil e relevante até que ele seja superado. Se você quer que um esquilo faça algo incrível em um evento, você começa treinando o esquilo, e não pelo planejamento do evento, que por mais complexo que seja, é algo que já temos referências. Treinar um esquilo é a parte difícil. Em tese, qualquer bom gerente tem condições de gerenciar os processos de um evento. O problema é que a maioria das pessoas começa com o evento, porque é o que elas sabem fazer. E ao desenvolvê-lo, elas podem mostrar o progresso inicial em relação a uma linha do tempo. Infelizmente, desenvolver um evento não leva a nada. Ou pelo menos a muito pouco em relação à inovação de um “esquilo fazer algo incrível em um evento”.

5. Às vezes o mundo ainda não está pronto

Quando a Arpanet foi criada em 1969 nos Estados Unidos, ela tinha apenas como função interligar laboratórios de pesquisa. Ou seja, muito longe e embrionário do que se tornou hoje a internet. Via de regra, nós tendemos a pensar que a próxima grande invenção será óbvia. Mas, na verdade, muitas vezes a invenção começa parecendo pouco. Como é o caso do blockchain, que poucas pessoas entendem para que serve, mas muito em breve se tornará algo comum para as pessoas. Quando algo realmente tem o poder de mudar o mundo, este mesmo mundo muitas vezes ainda não está pronto para isso. É necessário ganhar tração em um setor específico e combinar com outras inovações para que possa causar algum impacto relevante. Estamos condicionados a pensar que pessoas como Steve Jobs ou Elon Musk anunciam que o mundo mudou e que todo mundo segue em frente. Mas na realidade é bem diferente disso. A inovação nunca é um evento único. É um longo processo de descoberta e transformação. Grandes inovadores não são apenas pessoas com ideias. Mas a inovação só vem através de pessoas com atitudes para inovar.

Por: Juan Pablo D. Boeira – CPO do Innovation Center, Mestre e Doutorando em Design Estratégico e Inovação pela UNISINOS e Professor de Inovação e Tópicos Avançados de Marketing na UNISINOS E ESPM.

Fonte: Época Negócios

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger