Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2020. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 30 de junho de 2020
Continuação dos estudos é essencial para destaque no mercado pós-pandemia
Copiar link
Continuação dos estudos é essencial para destaque no mercado pós-pandemia
Universidades particulares se destacam e conseguem garantir a continuação dos estudos por meios digitais
Para minimizar os reflexos da pandemia do novo Coronavírus, universidades e estudantes de todo o país tiveram que se adaptar à forma de ensino remota. Essa adaptação foi aprovada pelo Ministério da Educação (MEC) desde março deste ano. A modalidade foi a solução possível encontrada para que os alunos seguissem com a formação profissional, tão importante para o novo mercado, pós-pandemia. Neste cenário atípico, de readaptações, as instituições privadas se destacaram e conseguiram garantir, em maioria, a continuação dos estudos.A crise do Coronavírus não tem precedentes e, por isso, o momento atual é de muita dificuldade e adaptações, conforme explica a coordenadora do MBA em Gestão Estratégica de Pessoas, psicóloga Luciene Villa Maia. “Estamos vivendo uma previsão de desemprego, até dezembro, de 17,8% da população brasileira, uma retração econômica gigantesca, mas nem tudo está perdido. Esse momento atual pode ser um momento de aprendizado e de transformação, desenvolvimento para quem tiver mais bem qualificado. Nós podemos escolher dois caminhos: ou paralisar e ficar em meio a tantas notícias negativas, ou aproveitar esse período para que possamos investir na nossa carreira, investir no nosso saber, para que, quando esse mercado voltar a se movimentar, nós estejamos mais preparados.”

É com esse planejamento e com qualificação profissional que será possível mitigar a crise atual e garantir que o processo de desenvolvimento não seja interrompido. “Existe espaço para o crescimento, e o trabalhador brasileiro sempre terá que se transformar, reinventar, inovar, isso faz parte da nossa cultura e vai continuar acontecendo. As pessoas que continuarem os estudos e formação, nessa época, sairão à frente, estarão mais preparadas para esse novo mercado. Sem falar que com estudos elas ficarão mais distantes dessa enxurrada de informações negativas, que faz mal à saúde mental, causa tristeza, estranhamento e distanciamento. O estudo, a qualificação, a continuidade da formação universitária podem fazer com que esse indivíduo esteja mais preparado para esse novo mundo. Essa fase vai passar, mas não será como antes. Vai passar e vai precisar de pessoas muito mais fortes, preparadas e qualificadas, então não deixe de estudar”, aconselha a psicóloga.

E nas rápidas adaptações necessárias para garantir a continuação dos estudos, as universidades particulares se destacaram. É o que aponta um levantamento do Monitoramento das Instituições de Ensino, feito pelo próprio MEC. Apenas 22% das universidades pausaram as atividades, enquanto 78% das instituições federais suspenderam as aulas totalmente, ou seja, mais de 877 mil alunos sem atividade. “Rapidamente, muitas instituições precisaram repensar as formas de ensino e, consequentemente, a aprendizagem dos alunos. Destacaram-se as que já possuíam uma estrutura preparada para esse tipo de adaptação, nos meios digitais. Como muitas universidades particulares possuem plataformas consolidadas para a modalidade à distância, as adequações para o ensino remoto ficaram mais tangíveis”, explica o Pró-Reitor de Ensino Superior da Uniube, Marco Antônio Nogueira.

Na Uniube, foram adaptadas cinco ferramentas da Educação à Distância para os alunos e professores do ensino presencial. São elas: Aulas Virtuais, que possibilitam a transmissão ao vivo de aulas, nos horários habituais; Palavra do Professor, canal utilizado pelo docente para enviar recados aos alunos, seja em texto, videocast ou podcast; Tira-dúvidas, ferramenta pela qual os estudantes podem contatar os professores de cada disciplina para tirar dúvidas; Videoteca, que possui todo o acervo de aulas da EAD, disponibilizado para os professores; Material didático, que visa facilitar o compartilhamento de ferramentas em disciplinas comuns, antes já existentes na EAD, e, agora, no presencial. “A TIC-EAD conseguiu, em 24 horas, disponibilizar as ferramentas e isso só foi possível porque o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) da Uniube foi desenvolvido pela própria instituição e foram feitos alguns investimentos de infraestrutura de rede”, complementa o gerente do setor de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC) da Uniube, professor André de Paula.

O AVA

Criado em 2010 pela própria instituição, o AVA Uniube on-line é moldado para que o ensino oferecido acompanhe as evoluções tecnológicas e pedagógicas. A plataforma disponibiliza mais de 50 ferramentas, tudo para assegurar um ensino de qualidade, pautado na proximidade da trajetória de aprendizagem do aluno. “A atualização e a evolução tecnológica podem ser realizadas a qualquer tempo e de forma dinâmica. Além disso, qualquer necessidade pedagógica pode ser atendida com maior agilidade”, pontua André de Paula.

Além disso, o Ambiente Virtual conta com uma equipe responsável, com foco na pesquisa, no desenvolvimento e na incorporação de ferramentas e novas tecnologias. Ou seja, possui um ambiente sempre alinhado com o que há de mais moderno. “A Sala de Aula Virtual possui recursos pedagógicos que são alinhados com o Projeto Pedagógico do curso, assim as ferramentas são incorporadas nas orientações de estudo. As ferramentas disponíveis proporcionam uma aproximação do aluno com seus professores, garantindo a humanização dessa relação tão importante no processo de aprendizagem”, complementa André.

EAD x aulas remotas

Segundo Marco Antônio, neste período em que as atividades presenciais estão sendo ministradas de forma on-line, muita gente tem confundido aulas remotas com a modalidade de Educação à Distância (EAD), mas ele esclarece a diferença. “Na EAD existe um Projeto Pedagógico, estrutura física e tecnológica estruturada para essa modalidade, ou seja, desde a concepção dela. Outra grande diferença é a presença do professor, na imensa maioria das vezes, no ambiente remoto, no dia e horário da aula do curso presencial. Resumindo: o curso presencial usufrui de algumas tecnologias e abordagens da EAD, que aliado à capacidade de nossos professores resulta nos ótimos resultados que temos visto”, explica.

Na opinião do Pró-Reitor, enquanto algumas instituições de Ensino Superior do país consideram o primeiro semestre de 2020 perdido, a Uniube demonstra o compromisso que tem com a educação e com seus alunos que nela confiam. “É por meio da qualidade na Educação que as pessoas se transformarão para melhor. Mas, para isso, a figura do professor e o comprometimento dele são a ‘pedra angular’ da competitividade da Universidade e dos resultados obtidos no atual ambiente econômico-social”, finaliza.

Fonte: G1 – Nacional

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger