Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2021. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 04 de maio de 2021
Justiça determina nova sessão de conciliação antes de decidir se suspende ou mantém aulas presenciais no RS
Copiar link
Justiça determina nova sessão de conciliação antes de decidir se suspende ou mantém aulas presenciais no RS

Após mais de quatro horas de audiência, a Justiça gaúcha determinou que será preciso uma segunda sessão para decidir se as escolas do Estado poderão ou não voltar a ter aulas presenciais. A decisão é o resultado da primeira audiência de conciliação que buscou solucionar o impasse sobre a o retorno.

O encontro foi mediado pela juíza Ana Oppitz, coordenadora do Centro Judiciário de Solução de Conflitos e Cidadania (Cejusc) de Porto Alegre. A próxima sessão está marcada para quarta-feira (5), às 14h30min.

O desembargador Leoberto Brancher, que auxiliou na mediação, e Ana afirmaram que essa foi uma oportunidade de “abertura de tratativas para alcançar esse equacionamento complexo e razões de consenso que irão contemplar as múltiplas perspectivas”.

Durante a audiência, a juíza afirmou que todos os lados têm razões legítimas e apontou que a mediação é a melhor via para resolver um conflito:

– O interesse maior é a vida e a saúde, severamente atingidas nessa pandemia. Todos temem essa doença, e ninguém quer encontrar o sistema de atendimento saturado. A mediação passa a discutir interesses e fazer a convergência desses interesses através do diálogo e da escuta, para se chegar a um entendimento comum.

As entidades que pedem a suspensão das aulas presenciais, como a Federação dos Professores, Trabalhadores Técnicos e Administrativos e Auxiliares Empregados em Estabelecimentos de Ensino (Fetee-Sul), a Associação Mães e Pais pela Democracia e o Cpers, sustentam que tanto a decisão de primeira instância quanto o acórdão de um agravo são claros ao dizer que não há possibilidade de retorno presencial nas atuais condições sanitárias.

A retomada de aulas presenciais foi autorizada pelo Palácio Piratini após o governador Eduardo Leite anunciar uma mudança nos cálculos de risco que levou o Estado a passar da bandeira preta para a vermelha. A alteração no nível de risco foi a alternativa encontrada pelo governo para viabilizar a volta às aulas presenciais, uma vez que, na bandeira preta, a Justiça compreendeu que as atividades de ensino presencial estavam proibidas.

Nesta primeira parte da sessão foi dado espaço para que todos se manifestassem. Falaram a presidente da Associação Mães e Pais pela Democracia, Aline Kerber, a presidente do Cpers-Sindicato, Helenir Schurer, a diretora do Sindicato dos Municipários de Porto Alegre (Simpa), Cindi Sandri, e a diretora do Sinpro/RS, Cecília Farias.

Além disso, esteve presente o coordenador da Fetee-Sul, Flávio Miguel, o procurador-geral do Estado, Eduardo Cunha da Costa, e a secretária estadual de Saúde Arita Bergmann. Também acompanharam o prefeito de Porto Alegre, Sebastião Melo, a secretária estadual de Educação, Raquel Teixeira, o presidente do Sindicato do Ensino Privado (Sinepe/RS), Bruno Eizerik, a secretária municipal de Educação, Janaina Aldino, e os promotores de Justiça Paulo Leandro da Rosa Silva e Paulo Valério.

FONTE: GZH

Copiar link Comentários ()
Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger