Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2021. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 13 de setembro de 2021
Uma educação guiada pelos direitos humanos promove relações de equidade
Copiar link
Uma educação guiada pelos direitos humanos promove relações de equidade

O professor e antropólogo Kabengele Munanga foi o responsável pela última aula magna do Afro Presença, evento idealizado pelo Ministério Público do Trabalho (MPT) e realizado pelo Pacto Global da ONU (Organização das Nações Unidas). Tratando sobre ações afirmativas na educação e no trabalho, ele iniciou sua fala citando o momento conturbado que o país vive com a pandemia da covid-19 e os conflitos políticos atuais.

O tema que me foi proposto é de grande complexidade, é como se fosse uma casa enorme com grandes portas e saídas abertas. Tenho que escolher uma delas. No mundo globalizado, pelo capital transnacional, a tecnologia, a comunicação afasta e ao mesmo tempo marginaliza quem aqui não se ajusta. Por trás dessas reivindicações estaria a intenção de discutir a representação social da história. Em numerosos países, há muitos conflitos de raça, nacionalidade e etnia. O direito nacional democrático, como a forma política da sociedade marcada pela violência. É preciso descobrir até que ponto culturas e sociedades foram destruídas no processo que levaram a formação de estado nação. Os direitos humanos têm formas diferentes em diversas nações.

O professor também citou quão urgente é o plano político reconhecer a importância da diversidade. Para ele, reconhecer a diversidade do povo pode proteger essas culturas. Multiculturalismo é uma busca de integração. Sem o conhecimento das diversidades da cultura, cairemos no novo universalismo, e, sem isso, haverá uma guerra entre as culturas, afirma.

Ao ser questionado sobre qual, então, seria o papel da educação para auxiliar no combate aos preconceitos que afastam a sociedade brasileira de respeitar a pluralidade cultural, Kabengele diz é preciso defender que a escola seja direcionada pelos direitos. Este tipo de educação se articula de maneira cosmopolita, ou seja, aprecia a diversidade e é profundamente antirracista, avalia.

De acordo com ele, apostar na racionalidade cosmopolita é não desperdiçar pessoas, conhecimentos e experiências. É intensificar a possibilidade da sociedade encontrar respostas harmoniosas no mundo. De acordo com Paulo Freire, a ação educativa e o pensamento educativo devem constituir o ato de ação transformadora. Não separa a concepção humana de sua matriz, que é a terra e tudo que a compõe. Os estudos feministas e os estudos de relações raciais demonstraram como as mulheres e os negros foram naturalizados à exclusão. Uma educação guiada pelos direitos humanos promover relações de paridade e equidade entre o sexo e as raças.

Kabengele finaliza com mais um pensamento de Paulo Freire, que diz que somos desafiados a reproduzir a pedagogia do oprimido. Somos levados a construir a pedagogia da diversidade, e, a partir dela, gerar uma hierarquia social, fundamentada no mérito. Todos os países considerados desenvolvidos investiram massivamente em educação de qualidade. A questão é saber que tipo de educação o Brasil precisa desenvolver para sair desta situação. Uma educação, sobretudo cidadã, orientada na busca de conscientização, solidariedade, equidade que convide para um olhar crítico na construção de nossas individualidades e coletividades.

FONTE: Uol

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger