Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2022. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 16 de maio de 2022
Indústria pode absorver mais mão de obra, mas tem desafio na qualificação
Copiar link
Indústria pode absorver mais mão de obra, mas tem desafio na qualificação

Com saldo de 8,9 mil vagas criadas em 12 meses, até março deste ano, a indústria puxa as contratações no Rio Grande do Sul. Ao contrário do que ocorre com a agricultura e a pecuária, que atuam em igual período com retração de 2,8 mil postos de trabalho no Estado, conforme dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) , o chamado setor secundário teria potencial para absorver um contingente maior de gaúchos.

É o que aponta o diretor regional do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai-RS), Carlos Trein, ao identificar a falta de qualificação como um dos problemas do atual mercado de trabalho. Segundo ele, o segmento, que enfrentou a sua maior recessão na história entre 2018 (ainda antes da pandemia ) e 2020 (no auge das medidas restritivas contra a covid-19), voltou a contratar com força, mas esbarra na falta de mão de obra com formação adequada.

A má notícia é que o cenário, revela Trein, pode ser agravado. Isso porque a denominada indústria 4.0 (automação das fábricas) demandará mudanças no perfil das atividades. De acordo com o relatório Future of Jobs (futuro dos empregos) , do Fórum Econômico Mundial, 75 milhões de vagas, hoje manuais, deixarão de ser preenchidas por humanos. A boa nova é que outros 133 milhões serão criadas (saldo de 58 milhões), porém, exigirão mais qualificação e, outra vez, o país parece não estar preparado para o desafio, afirma Trein.

Nesse aspecto, o diretor de Educação da Federação das Entidades Empresariais do RS (Federasul), Fernando de Paula, apresenta um balanço dos efeitos da pandemia para as escolas profissionalizantes gaúchas. De 9 mil estabelecimentos privados deste tipo, em 2019, restaram somente 4 mil ativos. A redução de 55%, em dois anos, indica a falta de incentivos e convênios capazes de amenizar a situação, comenta.

O economista e professor da Escola de Negócios da PUCRS , Ely José Mattos, sustenta a premissa. Afirma que o Brasil é “claramente” um país com qualificação baixa. E, acrescenta: isso significa que os trabalhadores brasileiros são pouco produtivos e, por mais que se esforcem, por 8h ou 9h diárias, o valor que geram na economia tende a ser menor do que em países onde a educação é mais valorizada.

Caminhos para uma solução

Mattos afirma que as soluções passam por duas agendas, uma de “curtíssimo prazo”, e outra de “longa duração”. A primeira, e também a mais restrita, argumenta, é formada por medidas de incentivo direto, como auxílios, subsídios para empresas e financiamentos facilitados em determinados setores mais propensos às contratações.

Só que, para garantir empregos, revela o economista, é preciso ampliar o horizonte. Nesse caso, não há alternativa que não passe pelo Ensino Básico. Segundo ele, o desequilíbrio educacional traz na bagagem a baixa mobilidade social. E aponta que algumas melhorias, obtidas na comparação com as décadas de 1980 e 1990, foram alcançadas, mas entraram em declive. Nesse aspecto, complementa Mattos, um dos trunfos seria o Programa Universidade para Todos (Prouni) , criado pelo governo Federal em 2004 para conceder bolsas de estudo em graduação e cursos sequenciais.

– Quando filhos de pessoas que não têm ensino superior obtêm a graduação, ocorre a mobilidade social, porque essas pessoas trocam de patamar. São medidas de longo prazo. E, é preciso entender, que precisamos corrigir algo que levará, no mínimo uma geração – considera.

No que tange aos Estados e Municípios, comenta o professor da PUCRS, sobram as ações mais pontuais. Em Porto Alegre , por exemplo, que possui um Sistema S (conjunto de organizações das entidades corporativas voltadas para o treinamento profissional) fortalecido, é possível ampliar capacitações, que tendem a funcionar, segundo ele, porque são localizadas, de fácil absorção, porém com alcance é limitado:

– Não há como revolucionar a partir do Estado, ainda que este tenha a responsabilidade sobre a educação de base. Mas sem a atribuição de fazer política monetária e cambial, sobra somente um pouco de política fiscal e um orçamento limitadíssimo para implementar medidas duradouras. Para voltar a um patamar menos cruel, de 6 milhões de desempregados, como em 2012, não tem jeito, deve ser um movimento nacional – pontua.

FONTE: GaúchaZH

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger