Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130 | Como chegar

COPYRIGHT © 2022. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 23 de junho de 2022
Qual a importância da educação financeira dentro das escolas
Copiar link
Qual a importância da educação financeira dentro das escolas

O Brasil registrou, no final de 2021, mais de 63 milhões de pessoas inadimplentes, de acordo com informações apuradas pela Serasa. Além da crise econômica que o país enfrenta, essa situação também é reflexo da falta de conhecimento financeiro dos brasileiros. Um dos temas que vem sendo discutido muitos nos últimos anos é a importância da educação financeira nas escolas. Essa metodologia tem como objetivo ajudar as pessoas a administrarem o seu dinheiro, valorizando o consumo consciente e até mesmo a prevenção de situações de fraude.

A educação financeira é importante principalmente diante do cenário complexo dos mercados financeiros e das mudanças demográficas, econômicas e políticas do país. A importância de se ter um componente curricular desse nível na base educacional de crianças e adolescentes vai além da organização financeira individual. Afinal, uma vez aprendendo a lidar com suas próprias finanças, os jovens impactarão a sociedade com seus conhecimentos financeiros. 

Estratégias para amenizar a inadimplência não seriam necessárias se, desde crianças, os brasileiros soubessem lidar com dinheiro. Ano após ano, o sistema financeiro do Brasil é afetado pelo índice de dívidas não pagas. Além disso, o score de crédito dos brasileiros também fica baixo, uma vez que os hábitos de consumo não são dos melhores. 

Uma pesquisa feita em 2021 pela empresa Leve mostrou que 52% dos entrevistados não possuem ou não sabem como montar um planejamento financeiro para os próximos anos. Além disso, 46% disseram que não se sentem confiantes para estabelecer metas de longo prazo. Segundo os especialistas, esses números são reflexo da falta de educação financeira básica que existe no Brasil.

Segundo as novas diretrizes estabelecidas pelo Ministério da Educação para a Base Nacional Comum Curricular (BNCC), a partir de 2020, todas as escolas precisam ter a Educação Financeira como item em sua grade curricular. Contudo, esse tópico não precisa ser uma matéria propriamente dita. Todavia, o tema deve aparecer ao menos como assunto transversal em outras matérias, como nas aulas de Matemática, por exemplo. 

A partir dessa obrigatoriedade do MEC, é possível que as escolas auxiliem os alunos de muitas formas. Afinal, aspectos de Educação Financeira podem ser aplicados em diversas aulas. Podemos falar sobre o assunto nas aulas de História, narrando desde o  surgimento da moeda, a origem da palavra salário e como surgiu o capitalismo. Ademais, a Geografia e política estão intrinsecamente ligados ao dinheiro, guerras e armamentos bélicos. Bem como as disputas pelo petróleo e pedras preciosas. Todavia, é nas aulas de Matemática que a Educação Financeira pode ter lugar de destaque.


Em síntese, nessa disciplina é possível ilustrar nas situações corriqueiras a importância e necessidade do controle financeiro. Além disso, nestas aulas o professor tem espaço para orientar os alunos sobre a primordialidade de um consumo consciente e sobre a importância de ser lúcido em meio a nossa sociedade altamente consumista. Nesse sentido, as aulas de Sociologia e Filosofia podem ser essenciais para demonstrar aos estudantes que o consumismo nada mais é que uma imposição social.


Independentemente do quanto consumimos, jamais conseguiremos ter tudo o que queremos. Afinal, é desse modo que essa engrenagem se movimenta: graças às nossas constantes insatisfações. Em resumo, a Educação Financeira pode ajudar os estudantes a viabilizarem seus sonhos, traçar planejamentos realistas e aprender desde cedo a terem controle sobre o dinheiro. Além disso, aprender conceitos como porcentagem, Matemática Financeira e princípios ainda que básicos de Economia, poderão tornar os jovens mais autônomos e com tendência a decisões mais assertivas em relação ao dinheiro.
Para que o jovem assimile a Educação Financeira e sua importância, o exemplo dos familiares é fundamental. Desse modo, é essencial que o assunto seja constante na vida da criança desde cedo. Para isso, é positivo que a criança saiba o que é salário e o que isso realmente significa. Em síntese, ter aulas de Educação Financeira pode ajudar a transformar o cenário do Brasil de um país de famílias endividadas e sem reservas, para um país de investidores, pessoas responsáveis e que possuem crédito no mercado.

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger