Nossos serviços
Entre em contato

Capitais e região metropolitana:
4007.2302

Demais cidades:
0800.002.2302

Whatsapp:
4007.2302


Av. Júlio de Castilhos, 44 - Térreo
Porto Alegre - RS - CEP 90030-130
FUNDACAO DE CREDITO EDUCATIVO
CNPJ 88.926.381/0001-85 | Como chegar

COPYRIGHT © 2022. Conheça nossa Política de Privacidade.

brivia

Educação | 30 de setembro de 2022
Apesar de melhorar salários, cai interesse pela faculdade
Copiar link
Apesar de melhorar salários, cai interesse pela faculdade

por Jon Marcus/The Hechinger Report*: La Vergne, Tennessee – Enquanto os times de futebol suavam durante os treinos de verão nos campos de atletismo da LaVergne High School, um pequeno grupo de conselheiros da escola compartilhava histórias de suas próprias provações.

Falaram de graduados do ensino médio que se recusaram a escrever redações ou preencher os formulários necessários para se inscrever na faculdade. De pais desconfiados em divulgar o que ganham para que seus filhos possam obter ajuda financeira. De estudantes certos de que era fácil ganhar dinheiro no TikTok ou no YouTube, ou em empregos na fábrica da Volkswagen em Chattanooga.

Parte de um quadro de conselheiros destacados pelo estado para estimular mais graduados do ensino médio do Tennessee a entrar na faculdade, as mulheres de repente descobriram que seus trabalhos eram muito mais difíceis do que pensavam.

A proporção de graduados do ensino médio no Tennessee que vão diretamente para a faculdade está despencando. No ano passado, foi inferior a 53%. Isso representa uma queda de 11% desde 2017.

“Ele começa a me dizer ‘não quero fazer isso’”, contava a conselheira Portia Cook a seus colegas do programa estadual, chamado Advise TN, sobre o melhor aluno de sua turma que havia mudado de ideia sobre continuar sua educação. “Você está falando de mais quatro anos de escola? Não.”

Conversas semelhantes ocorreram em todo o país neste verão, enquanto preocupadas autoridades estaduais enfrentavam uma queda dramática e contínua no número de americanos dispostos a investir o dinheiro e o tempo necessários para a faculdade. É uma tendência que os especialistas dizem que provavelmente diminuirá a qualidade de vida das pessoas e a competitividade econômica do país.

Explicações para a queda

“Com exceção da guerra, os Estados Unidos nunca passaram por um período de declínio educacional como este”, disse Michael Hicks, diretor do Centro de Negócios e Pesquisa Econômica da Miller College of Business da Ball State University.

Houve uma queda significativa e constante, em todo o país, no número de graduados do ensino médio que se matriculam na faculdade depois de terminar o ensino médio – de 70% em 2016 para 63% em 2020, dado mais recente disponível, de acordo com o Centro Nacional de Estatísticas da Educação.

Muitos observadores sugeriram três explicações principais para a queda: a pandemia de Covid-19, queda no número de americanos com menos de 18 anos, e um mercado que leva os jovens diretamente para a força de trabalho. A pandemia piorou as coisas, mas a queda nas matrículas ocorreu antes. Já havia dois milhões e meio a menos de alunos em faculdades e universidades no momento em que a Covid se instalou, em comparação com 2012. Outro milhão e meio desapareceu desde então.

A demografia por si só não pode explicar a escalada dessa queda. E as estatísticas desmentem a afirmação de que os recém-formados no ensino médio estão conseguindo empregos em vez de ir para a faculdade. A participação da força de trabalho para jovens de 16 a 24 anos é realmente menor do que era antes da Covid, relata o Bureau of Labor Statistics (BLS).

Uma miríade de grupos focais e pesquisas de opinião pública apontam outras razões para a dramática tendência de queda. Inclui ceticismo generalizado e crescente sobre o valor do diploma, impaciência com o tempo necessário para obtê-lo e custos que finalmente excederam a capacidade ou a disposição de pagar de muitas pessoas.

Expectativa dos pais

“As expectativas dos pais de verem o filho na faculdade – a de que se você não for para a faculdade, você é um vagabundo – diminuíram”, disse Ever Balladares sobre por que muitos de seus colegas graduados da LaVergne High, sudeste de Nashville, não planejam continuar seus estudos, como ele faz. “Eles não pensam mais nisso.”

O Tennessee não é o único lugar que experimenta essa tendência. Embora nem todos os estados avaliem o nível universitário da mesma maneira ou tenham dados para os mesmos anos, alguns também registraram declínios muito superiores à média nacional.

A proporção de graduados do ensino médio indo para a faculdade em Indiana caiu para 53% em 2020, uma queda de 12% em relação a cinco anos antes – um ritmo que o comissário de ensino superior Chris Lowery chamou de “alarmante”. Na Virgínia Ocidental, 46% dos graduados do ensino médio em 2021 foram para a faculdade no outono seguinte, 10% abaixo dos 56% em 2010.

Dos graduados do ensino médio em 2021 em Michigan, 54% foram direto foram direto para a faculdade, uma queda de 11% em relação a 2016. No Arizona, 46% dos graduados do ensino médio em 2020 foram para a faculdade no outono seguinte, queda de mais de 55% desde 2017. No Alabama, o número de recém–formados no ensino médio em 2020 caiu para 54%, queda de 11% desde 2014; e em Idaho, para 39%, queda de 11% desde 2017.

Os americanos estão cada vez mais em dúvida sobre a necessidade de ir para a faculdade. Menos de um em cada três adultos agora diz que um diploma vale o custo, de acordo com uma pesquisa da Strada Education Network.

Custo do diploma

“Essa pergunta tem surgido com mais frequência: ‘Vale a pena?’”, disse Jennifer Kline, conselheira da Festus High School em Festus, Missouri, um estado onde a proporção de graduados do ensino médio indo direto para a faculdade caiu de 6% desde 2017 para 61%. “Eu vejo cada vez mais pais dizendo: ‘Não. Você não vai fazer isso. Você não vai para uma faculdade de quatro anos’”.

Os pais de seus alunos “simplesmente não valorizam a educação da maneira que o faziam no passado”, disse Amanda DeBord, consultora da Advise TN em uma parte rural do Tennessee. “Sinto que isso está decaindo há alguns anos.” Além disso, está crescendo a insatisfação entre os recém-formados em universidades e faculdades com a qualidade da educação que receberam.

Trabalhadores com diplomas de bacharel ganham 67% a mais do que pessoas com diplomas do ensino médio, de acordo com o BLS

Mais de 4 em cada 10 bacharéis com menos de 45 anos não concordam que os benefícios de sua educação excedem os custos, de acordo com uma pesquisa do Federal Reserve. Apenas um quarto dos recém-formados em outra pesquisa, realizada pela editora educacional e empresa de tecnologia Cengage, disseram que, se pudessem fazer isso de novo, seguiriam o mesmo caminho educacional.

Isso se soma a muitas críticas ruins transmitidas a irmãos mais novos e colegas de classe, que consideram a família e os amigos as fontes mais confiáveis sobre se e onde ir para a faculdade, de acordo com uma pesquisa da Vox Global, para a Comissão Indiana para o Ensino Superior, que também vasculhou as redes sociais. “Há um impacto enorme se você não acredita que seu diploma valeu o custo e diz isso a todos”, disse Stephanie Marken, sócia da organização de pesquisas Gallup em sua divisão de educação.

Confiança no ensino superior

Meses de discussão sobre se o governo Biden perdoará todas ou algumas dívidas de empréstimos estudantis tiveram uma consequência não intencional: lembrou aos futuros alunos o quanto as pessoas antes deles tiveram que pedir emprestado para pagar a faculdade. Assim como o fato de que muitos de seus pais ainda estão pagando seus empréstimos para a faculdade.

“A conversa sobre dívida estudantil que eles ouvem constantemente está afetando sua percepção”, disse Samantha Gutter, diretora de acesso e divulgação da Comissão de Ensino Superior do Tennessee, que pesquisou alunos do último ano do ensino médio sobre planos de ir para a faculdade.

“Esses números existem há algum tempo”, disse Kim Cook, diretor executivo da National College Attainment Network. “Mas, agora, ganharam manchetes pelo mundo”.

Outras manchetes incluem aquelas sobre golpes e escândalos ressurgentes que forçaram os contribuintes a assumir a dívida de estudantes cujas faculdades e universidades os enganaram. O Departamento de Educação dos EUA, em junho, liberou US$ 5,8 bilhões em empréstimos federais tomados por estudantes das extintas Corinthian Colleges, com fins lucrativos, por exemplo. Casos como esse “realmente colocaram um gosto amargo na boca de algumas pessoas”, disse Hicks.

Entre 2015 e 2019, a confiança dos americanos no ensino superior, medida pela pesquisa Gallup, caiu mais do que sua confiança em qualquer outra instituição – uma extraordinária erosão da confiança, considerando que a lista inclui a presidência, o Congresso, as grandes empresas e o sistema de justiça criminal.

“Há antielitismo, anti-institucionalismo, uma percepção de que o custo está fora de controle”, disse Marken. “Também estamos tendo uma ressaca de muitos atores ruins no ensino superior que deturparam seu produto.”

Diploma ainda compensa

Esses problemas, agora se instalando, eram evidentes há anos, mas as faculdades e universidades em geral pouco fizeram para resolvê-los. Seguem uma política de preços que poucos consumidores pagam, e que desencorajam muitos a se candidatar. Enterram os alunos em burocracia, o que é especialmente confuso para o número crescente de candidatos cujos pais nunca foram para a faculdade. E muitas vezes não conseguem fazer conexões claras entre disciplinas acadêmicas e carreiras ou acompanhar as demandas do mercado de trabalho em rápida evolução. “Não nos concentramos o suficiente nos resultados”, disse Ruth Watkins, ex-presidente da Universidade de Utah e agora presidente da Strada Impact, que pesquisa o que impulsiona o comportamento dos alunos. “Não fomos claros. Podemos fazer melhor.”

Um diploma, de fato, ainda compensa. Trabalhadores com diplomas de bacharel ganham 67% a mais do que pessoas com diplomas do ensino médio, de acordo com o BLS. Mais da metade dos bons empregos – ou seja, aqueles com salários de pelo menos US$ 35.000 para trabalhadores com menos de 45 anos e US$ 45.000 para pessoas entre 45 e 64 anos – exigem diplomas de bacharel, estima o Centro de Educação da Universidade de Georgetown e a Força de Trabalho.

“Quando seus alunos dizem que planejam abandonar a faculdade”, disse Cook da Advise TN – ela os chama de meus bebês e meus queridos –, “minha reação é: ‘Você pode ir trabalhar na Volkswagen, mas o que vai acontecer daqui a cinco ou seis anos, quando você quiser subir? Não vai conseguir.”

Medos e incertezas

No entanto, desde o início da pandemia, a proporção de jovens de 14 a 18 anos que acham que a educação é necessária além do ensino médio caiu de 60% para 45%, segundo o ECMC Group. Mais da metade dos adolescentes que planejam mais educação dizem que estão abertos a algo além de um diploma de quatro anos.

Mesmo os graduados do ensino médio que planejam ir para a faculdade admitem dúvidas. “Minha vida inteira tem sido esportes, mas ao mesmo tempo ainda resta a dúvida. A faculdade é realmente para mim?, disse Dillon Phillips, que jogou basquete na LaVergne High e espera se tornar profissional. Mas começará em uma faculdade comunitária para “dar tempo para se preparar” para os requisitos de uma universidade de quatro anos.

A pandemia só aprofundou os medos dos estudantes que já estavam lutando com a autoconfiança e céticos em relação à faculdade, disse Thea Cole, que também aconselha estudantes da Advise TN. Alguns deles costumam dizer: ‘Não sei se consigo entrar’, ou ‘Vai ser muito difícil’. Cook é mais direta: “Meus filhos têm um pavio mais curto. Quando as coisas começam a ficar complicadas, eles terminam”.

Não são apenas os recém-formados do ensino médio que estão dando as costas ao ensino superior. O número de alunos com mais de 24 anos que vão pela primeira vez ou retornam à faculdade também diminuiu, em um total de 12% nos cinco anos, entre a primavera de 2017 e o semestre da primavera recém-encerrado, de acordo com o National Student Centro de Pesquisa da Câmara.

O ceticismo, em números

A Covid-19 acelerou essa queda. Menos de 4 em cada 10 pessoas com um diploma de graduação ou menos acreditam que a educação adicional as ajudará a conseguir um emprego estável em uma crise econômica – abaixo da metade que disse isso antes da pandemia – apontou uma pesquisa da Strada. Veja o quadro:

“Eu culpo o ensino superior por isso”, disse Marken. “Uma razão é que o custo está fora de controle, mas outra é como o custo é apresentado”, com as instituições listando preços muito mais altos do que quase todos os alunos realmente pagam após os descontos e a ajuda financeira serem contabilizados.

“A maioria dos alunos não sabe disso, e os pais que não cursaram o ensino superior também não sabem”, disse Marken. “Eles vão se excluir antes mesmo de se candidatarem”.

Preocupações financeiras

As pessoas não estão sem razão imaginando que os custos da faculdade aumentaram, é claro. Mesmo quando a ajuda financeira é contada, o custo médio ajustado à inflação de uma educação universitária de quatro anos mais que dobrou desde 1974. O custo ajustado à inflação de um diploma de dois anos aumentou 66%.

Novas preocupações financeiras e inflação estão agravando o problema de acesso. Muitos estudantes estão tendo problemas para cobrir as mensalidades – especialmente aqueles que frequentam faculdades comunitárias, que enfrentam os declínios mais dramáticos nas matrículas. Mais de um terço desses estudantes dizem que suas situações financeiras estão piores do que antes da Covid, segundo o Center for Community College Student Engagement.

As faculdades comunitárias e as universidades regionais de quatro anos “atenderam as populações que enfrentaram os maiores desafios: gerenciar cuidados infantis, transporte, insegurança alimentar. E, neste momento, é coisa demais tentar gerenciar educação ou treinamento pós-secundário”, disse Watkins.

Razões para a não entrada na faculdade

Para entender as razões pelas quais tantas pessoas pararam de ir à faculdade, alguns estados realizaram grupos focais e pesquisas, revelando que a complexidade de obter uma educação superior é a culpada por pelo menos parte da antipatia em segui-la.

Em Indiana, 70% dos moradores disseram que acharam “massacrante” a tentativa de entender as opções de ajuda financeira do estado. No Tennessee, estudantes do ensino médio disseram que não achavam que eram elegíveis para auxílio financeiro estatal para o qual provavelmente se qualificariam.

“Precisamos simplificar. Vemos em preto e branco o que a maioria das pessoas acredita que é muito complicado”, disse Charlee Beasor, comissário associado de marketing e comunicações da Comissão Indiana para o Ensino Superior.

Outras explicações incluem a falta de estrutura para cuidados infantis, que 38% dos adultos citam como uma razão importante para não estarem na faculdade, juntamente com a necessidade de cuidar de outros membros da família, de acordo com uma pesquisa da Gallup.

Entre as descobertas do estudo da Vox para a Comissão Indiana de Educação Superior, há uma curiosa: sobre a tentativa de fazê-los ir para a faculdade, alguns americanos hoje em dia “rejeitam a ideia de serem instruídos sobre o que fazer por elites de fora, que não os conhecem”. “E eles não querem ouvir que sua vida não é boa o suficiente”, disse Beasor – ‘Como você ousa me dizer o que eu preciso fazer para melhorar minha vida?’.

As crescentes disparidades no acesso à faculdade podem ampliar as fissuras que já polarizam a sociedade americana, disse Hicks.

“Lugares como Los Angeles ou DC ou Chicago continuarão a atrair muitos graduados”, disse ele. “Para lugares que têm uma parcela menor de graduados universitários, você terá um clima econômico mais incerto e salários mais baixos.”

Impactos

Os efeitos já são inevitáveis, disse Cook, da National College Attainment Network. “Mesmo que em um cenário melhor resolvamos isso e mudemos, e as matrículas voltem, isso é um volume gigante – apenas nos últimos dois anos há mais de um milhão de alunos que não vão para o ensino superior.”

Os Estados Unidos já caíram do 2º para o 16º lugar, desde 2000, entre os países membros da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), na proporção de jovens de 25 a 34 anos com diploma de bacharel. Os países à frente dos EUA nessa lista aumentaram sua obtenção de diploma de bacharel durante esse período em uma média de 177%, segundo uma análise do Pell Institute for the Study of Opportunity in Higher Education.

Em Massachusetts, um think tank projetou que taxas mais baixas de conclusão de faculdades combinadas com aposentadorias dos baby boomers e menos imigração significam que o número de trabalhadores com diplomas cairá 10%, ou 192.000, até 2030 – muito mais acentuadamente do que anteriormente projetado. Para comparar, houve um aumento de 25% em cada uma das últimas quatro décadas. Ele alertou para “sérias implicações para a economia do estado”. Mesmo antes da pandemia, o país enfrentava uma escassez de mais de nove milhões de trabalhadores com formação universitária na próxima década, afetando quase todos os estados e custando quase US$ 1,2 trilhão em produção econômica perdida, estimou o American Action Forum, de centro-direita.

Os concorrentes econômicos “não poderiam desejar nada melhor do que ver a proporção de adultos [americanos] que vão para a faculdade cair 12%”, disse Hicks. “É literalmente cataclísmico.”

The Hechinger Report

FONTE: Revista do Ensino Superior

 

Leia também Estratégias para melhorar a motivação dos estudantes

Quero receber conteúdos voltados para:

Entre em contato através do WhatsApp

Entre em contato através do Messenger